Tel: 11 5579-3338 / 5571-1736

  • Endereço

    Rua Pelotas, 358
    Vila Mariana - São Paulo - SP

  • Telefone

    11 5579-3338 / 5571-1736

  • Email

    pacca@diagnosticobucal.com.br

© 2020. Instituto do Sorriso. Todos os direitos reservados.

A importância do tratamento odontológico em pacientes grávidas
A gestante pode receber tratamento odontológico? Sim, sem dúvida. Em qualquer período da gestação ela poderá ser atendida, embora o segundo trimestre seja o momento mais oportuno, porque, nessa fase, ela se encontra num período de maior estabilidade.

 

Existem riscos quanto à anestesia local?
Sim. É importante destacar que a grávida precisa de uma anestesia específica. Estudos atuais descrevem que alguns anestésicos locais podem provocar metahemoglobinemia fetal (que é um tipo de anemia), outros são cardiotóxicos e podem promover aumento da pressão arterial ou indutores de contrações uterinas, portanto, é importante que o cirurgião-dentista possua os conhecimentos necessários para conduzir o atendimento.

 

A gestante pode ser radiografada pelo dentista?
Pode. No primeiro trimestre (período da embriogênese), as radiografias devem ser evitadas. Mas se radiografias forem imprescindíveis, o avental de chumbo deverá ser utilizado em qualquer fase da gestação.

 

Dizem que, na gravidez, os dentes estragam com mais facilidade. É verdade?
Não. A gravidez não é responsável pelo aparecimento de cárie e nem pela perda de minerais dos dentes da mãe para formar as estruturas calcificadas do bebê. O aumento da atividade cariogênica está relacionado, muitas vezes, pelas modificações ocorridas na dieta da gestante, por exemplo, no aumento da frequência do consumo de açúcar e diminuição da escovação pelo enjôo, eventualmente causado pelo creme dental.

 

E a gengiva inflama com mais facilidade?
Sim. De maneira geral, nas grávidas, tem-se maior vulnerabilidade às inflamações gengivais, em função da maior vascularização gengival, proporcionada pela elevação dos níveis de estrógeno. É importante ressaltar que a causa dessas inflamações é a presença da placa bacteriana, portanto, se a gestante executar uma boa escovação e higiene bucal, a inflamação gengival não ocorrerá.

 

Existem cuidados especiais para a higiene bucal?
Os cuidados são os mesmos de uma mulher não grávida, como limpeza diária dos dentes com uso adequado da escova e fio/fita dental. A qualidade dessa limpeza é mais importante do que a frequência. Se houver algum ponto da gengiva com sangramento, essa região deverá ser limpa melhor. Se após três dias a gengiva continuar sangrando, a gestante deve procurar a ajuda de um dentista.

 

Quando os dentes do bebê começam a se formar?
Os dentes de leite começam a se formar a partir da 6ª semana e os dentes permanentes, a partir do 5º mês. O uso de medicamentos, infecções, carências nutricionais, entre outras, podem trazer problemas nos dentes em fase de formação e mineralização.

 

A amamentação é importante para os dentes do bebê?
A amamentação durante o primeiro ano de vida é fundamental para a prevenção de muitas das más oclusões, bem como o exercício muscular durante a sucção no seio favorece a respiração nasal e previne grande parte dos problemas de posicionamento incorreto dos dentes e das estruturas faciais.

 

O que a gestante deve fazer para que o bebê tenha bons dentes?
Antes de tudo, ela própria precisa ter saúde. O nível de saúde bucal da mãe tem relação com a saúde bucal da criança. Os pais, particularmente a mãe, determinam muito o comportamento que os filhos adotarão. Hábitos saudáveis são fundamentais: limpeza bucal e alimentação equilibrada. A boa alimentação significa também evitar o consumo de produtos açucarados.

 

Quando levar a criança pela primeira vez ao dentista?
A primeira visita ao odontopediatra deve acontecer quando aparecer os primeiros dentinhos de leite, ocasião em que os pais serão orientados das causas e da transmissão da cárie, alimentação, limpeza dos dentes do bebê e sobre o uso adequado do flúor. A educação em saúde assegura maior chance de a criança crescer sem problemas bucais.

 

Prof. Dr. Francisco Octávio Teixeira Pacca

Odontologia para Gestantes

A importância do tratamento odontológico em pacientes grávidas
A gestante pode receber tratamento odontológico? Sim, sem dúvida. Em qualquer período da gestação ela poderá ser atendida, embora o segundo trimestre seja o momento mais oportuno, porque, nessa fase, ela se encontra num período de maior estabilidade.

 

Existem riscos quanto à anestesia local?
Sim. É importante destacar que a grávida precisa de uma anestesia específica. Estudos atuais descrevem que alguns anestésicos locais podem provocar metahemoglobinemia fetal (que é um tipo de anemia), outros são cardiotóxicos e podem promover aumento da pressão arterial ou indutores de contrações uterinas, portanto, é importante que o cirurgião-dentista possua os conhecimentos necessários para conduzir o atendimento.

 

A gestante pode ser radiografada pelo dentista?
Pode. No primeiro trimestre (período da embriogênese), as radiografias devem ser evitadas. Mas se radiografias forem imprescindíveis, o avental de chumbo deverá ser utilizado em qualquer fase da gestação.

 

Dizem que, na gravidez, os dentes estragam com mais facilidade. É verdade?
Não. A gravidez não é responsável pelo aparecimento de cárie e nem pela perda de minerais dos dentes da mãe para formar as estruturas calcificadas do bebê. O aumento da atividade cariogênica está relacionado, muitas vezes, pelas modificações ocorridas na dieta da gestante, por exemplo, no aumento da frequência do consumo de açúcar e diminuição da escovação pelo enjôo, eventualmente causado pelo creme dental.

 

E a gengiva inflama com mais facilidade?
Sim. De maneira geral, nas grávidas, tem-se maior vulnerabilidade às inflamações gengivais, em função da maior vascularização gengival, proporcionada pela elevação dos níveis de estrógeno. É importante ressaltar que a causa dessas inflamações é a presença da placa bacteriana, portanto, se a gestante executar uma boa escovação e higiene bucal, a inflamação gengival não ocorrerá.

 

Existem cuidados especiais para a higiene bucal?
Os cuidados são os mesmos de uma mulher não grávida, como limpeza diária dos dentes com uso adequado da escova e fio/fita dental. A qualidade dessa limpeza é mais importante do que a frequência. Se houver algum ponto da gengiva com sangramento, essa região deverá ser limpa melhor. Se após três dias a gengiva continuar sangrando, a gestante deve procurar a ajuda de um dentista.

 

Quando os dentes do bebê começam a se formar?
Os dentes de leite começam a se formar a partir da 6ª semana e os dentes permanentes, a partir do 5º mês. O uso de medicamentos, infecções, carências nutricionais, entre outras, podem trazer problemas nos dentes em fase de formação e mineralização.

 

A amamentação é importante para os dentes do bebê?
A amamentação durante o primeiro ano de vida é fundamental para a prevenção de muitas das más oclusões, bem como o exercício muscular durante a sucção no seio favorece a respiração nasal e previne grande parte dos problemas de posicionamento incorreto dos dentes e das estruturas faciais.

 

O que a gestante deve fazer para que o bebê tenha bons dentes?
Antes de tudo, ela própria precisa ter saúde. O nível de saúde bucal da mãe tem relação com a saúde bucal da criança. Os pais, particularmente a mãe, determinam muito o comportamento que os filhos adotarão. Hábitos saudáveis são fundamentais: limpeza bucal e alimentação equilibrada. A boa alimentação significa também evitar o consumo de produtos açucarados.

 

Quando levar a criança pela primeira vez ao dentista?
A primeira visita ao odontopediatra deve acontecer quando aparecer os primeiros dentinhos de leite, ocasião em que os pais serão orientados das causas e da transmissão da cárie, alimentação, limpeza dos dentes do bebê e sobre o uso adequado do flúor. A educação em saúde assegura maior chance de a criança crescer sem problemas bucais.

 

Prof. Dr. Francisco Octávio Teixeira Pacca